Chile, arcebispo de Santiago: “O Santo Padre está perto de nós e reza por nós”

23 de outubro de 2020

Dom Aós: “Quero transmitir a todo o povo chileno, não só aos católicos a solidariedade do Santo Padre que está muito próximo de todos nós e reza por nós”.

Nesta quinta-feira, 22, o arcebispo de Santiago, dom Celestino Aós, durante a sua participação num programa de Rádio Maria “Ponto de Encontro”, voltou a falar sobre o plebiscito, que no domingo 25 de outubro chamará os chilenos a expressarem-se sobre a Constituição, e sobre as duas igrejas queimadas na capital, convidando a um diálogo mais justo e pacífico no país.

Dom Aós, entrevistado pelo padre Roberto Navarro e pela jornalista Macarena Gayangos, respondendo à pergunta sobre os atos de violência ocorridos em Santiago do Chile no passado fim-de-semana durante os quais foram queimadas duas igrejas na sua arquidiocese, disse estar preocupado não tanto com a destruição material dos edifícios, mas com o sofrimento das comunidades paroquiais. A indignação, disse ele, é tudo “para o povo de Deus, para nós, para os crentes, isso é o que dói”.

O prelado, tal como o Papa Francisco, expressou a importância de ser irmãos e irmãs, de aprender a viver juntos no respeito pela dignidade de cada pessoa. Depois relatou uma conversa que teve com o Papa há alguns dias, durante a qual o Pontífice expressou a sua proximidade e solidariedade para com o povo chileno, e encorajou-o a continuar na sua missão de busca da paz e do encontro.

“Quero transmitir a todo o povo chileno, não só aos católicos” – disse o arcebispo -, “a solidariedade do Santo Padre que está muito próximo de todos nós, que reza por nós e que se interroga, como nós, como pode nos ajudar a irmos avante”.

Enfim, o arcebispo de Santiago convidou uma vez mais os cristãos e todos os cidadãos chilenos a cumprirem o seu dever cívico e a exercerem o seu direito de voto no próximo domingo, sabendo que cada ação tem consequências. Ele pediu a todos aqueles que não podem ir votar que rezem “pelo Chile, por aqueles que votam, para que escolham com lucidez”.

“Temos de escolher aqueles que são capazes e têm respeito pelos direitos” – disse o prelado -, “porque, como vemos com dor, há outras pessoas que fazem escolhas diferentes, que escolhem a violência, a destruição, e neste momento queremos construir, viver em paz e na coexistência”.

Fonte e Foto:Vatican News Service – AP

FacebookWhatsAppTwitter