Francisco alertou que não é a rigidez nem os “organogramas” que levam o Reino de Deus adiante, mas sim a docilidade ao Espírito Santo

Rádio Vaticano

papa_homilia

Papa Francisco durante celebração eucarística na Casa Santa Marta / Foto: Reprodução CTV

Para que o Reino de Deus cresça, o Senhor requer a todos a docilidade, disse o Papa Francisco a Missa desta terça-feira, 25, na Casa Santa Marta.

Bem-aventurados aqueles que “caminham na Lei do Senhor”. O Papa destacou que a Lei não é somente para estudá-la, mas para “caminhá-la”, é para a vida, é para ajudar a fazer o Reino, a fazer a vida. Hoje, disse ainda Francisco, o Senhor diz que também o Reino está em caminho.

“O que é o Reino de Deus? Eh, talvez o Reino de Deus seja uma estrutura bem feita, tudo em ordem, organogramas bem feitos, tudo…. e aquilo que não entra ali, não é o Reino de Deus. Não. Com o Reino de Deus acontece o mesmo que pode acontecer com a Lei: o ‘imobilismo’, a rigidez … A lei é para caminhá-la, o Reino de Deus está em caminho. Não é estático. E mais: o Reino de Deus ‘se faz’ todos os dias’”.

Jesus, retomou o Papa, fala em suas parábolas de coisas da vida cotidiana: o fermento que não permanece fermento” porque, no final, “e mistura com a farinha” está portanto “m caminho e faz o pão” E depois a semente que “ão permanece semente”porque “orre e dá vida à árvore” “Fermento e semente estão em caminho para fazer algo, mas para fazer isto, morrem. Não é um problema de pequenez, de pouca ou grande coisa. É um problema de caminho, e no caminho acontece a transformação”.

Devemos ser dóceis ao Espírito Santo

Alguém que vê a Lei e não caminha, advertiu, tem uma atitude fixa, uma atitude de rigidez.

“Qual é o comportamento que o Senhor nos pede para que o Reino de Deus cresça e seja pão para todos e habitação, também, para todos? A docilidade. O Reino de Deus cresce com a docilidade à força do Espírito Santo. A farinha deixa de ser farinha e se torna pão, porque é dócil à força do fermento, e o fermento se deixa amassar com a farinha… não sei, a farinha não tem sentimentos, mas deste deixar-se amassar se pode pensar que há algum sofrimento ali, não? E depois, se deixa assar. Mas, também o Reino… mas o Reino cresce assim, e ao final é alimento para todos”.

Assim como a farinha é dócil ao fermento, o homem e a mulher dóceis ao Espírito Santo crescem e são um dom para todos, enfatizou o Santo Padre. Também a semente é dócil para ser fértil, e perde a sua entidade de semente e se torna outra coisa, muito maior: se transforma. Assim é o Reino de Deus: em caminho rumo à esperança, em caminho em direção à plenitude.

Rigidez

O Reino de Deus, disse ainda, se faz todos os dias, com a docilidade ao Espírito Santo, que é aquele que une o pequeno fermento ou a pequena semente à força, e o transforma para fazer crescer. Se, ao invés, as pessoas não caminham, tornam-se rígidas e a rigidez as faz órfãos, sem Pai.

“O rígido tem somente patrões, não um pai. O Reino de Deus é como uma mãe que cresce e fecunda, doa a si mesma para que os filhos tenham comida e teto, de acordo com o exemplo do Senhor. Hoje é um dia para pedir a graça e a docilidade ao Espírito Santo. Muitas vezes somos dóceis aos nossos caprichos, aos nossos juízos. ‘Mas, eu faço o que quero…’…Assim o Reino não cresce, tampouco nós. Será a docilidade ao Espírito Santo que nos fará crescer e transformar como o fermento e a semente. Que o Senhor nos dê a todos a graça desta docilidade”.