Momento de oração pelos que se foram e esperança de um dia
nos reencontrarmos na vida eterna

 

O dia de finados ou dos fiéis defuntos é uma antiga tradição da Igreja Católica. Trata-se de rezar por todos os falecidos. Dessa forma a Igreja recorda uma grande verdade de fé: a Igreja triunfante no céu, padecente no purgatório e militante na terra. A Sagrada Tradição está cheia de ensinamentos a cerca da oração pelos defuntos, um deles é de São João Crisóstomo que recomendava que se rezasse pelos falecidos, São Cirilo, outro santo da nossa Igreja, afirmou: “Enfim, também rezamos pelos santos padres e bispos e defuntos e por todos em geral que entre nós viveram; crendo que este será o maior auxílio para aquelas almas, por quem se reza, enquanto jaz diante de nós a santa e tremenda vítima”(Catequeses. Mistagógicas. 5, 9, 10, Ed. Vozes, 1977, pg. 38) e no livro de Macabeus encontramos o seguinte: “É coisa santa e salutar lembrar-se de orar pelos defuntos, para que fiquem livres de seus pecados” (2Mac 12,46).

O dia de finados serve ainda para nos recordar da importância de se manter os olhos fixos em Deus, e seguir o exemplo de humildade e vida de Jesus. Afinal, “não se sabe o dia nem a hora”, mas temos a certeza de que nos encontraremos com Deus e para isso é preciso passar pela morte. O fato não deveria causar medo ou tristeza e sim alegria, pois trata-se do encontro com o Criador, Aquele que nos ama e nos cuida a todo tempo. Finados, é dia de esperança.  É hora de rezar pelos que já se foram e pensar que também nós passaremos por isso um dia.

É neste sentido que todos os anos a Igreja celebra esta data que para alguns pode ser um dia de melancolia e sofrimento mas que tem em si, um sentido de esperança e a certeza de uma vida nova no céu, conforme o Cristo prometeu àqueles que o seguissem de forma verdadeira e o amassem de todo o coração. E em nossa Diocese não poderia ser diferente, hoje pela manhã houve celebração da Santa Missa no cemitério municipal de Cel. Fabriciano, presidida por Dom Marco Aurélio e com acolhida dos jovens e da Pastoral Familiar que se posicionaram nas entradas do cemitério. O material de oração e reflexão usado foi o do Pe. Geraldo Ildeu, além disso estiveram presentes a Legião de Maria e os vicentinos que fizeram orações nos túmulos.

Houve também Missas e Celebrações nos três regionais de nossa Diocese nas comunidades paroquiais e cemitérios das cidades, onde os fiéis puderam interceder pelos fiéis defuntos.

Por Jéssica Scarabelli
Freelancer Católico