Comissão para Cultura e Educação da CNBB estuda criar os ‘Plantões de Escuta’

1 de abril de 2020

Há quase um mês o Brasil vive a realidade do isolamento social, uma medida importante contra o coronavírus que tem como objetivo evitar a dispersão do vírus pelo país. Porém, este período tem impactado diretamente na saúde mental das pessoas que tiveram de se adaptar a uma nova rotina de vida: a de ficar sem sair de casa.

Desde então, os brasileiros têm se virado para reestruturar sua rotina seja de trabalho, estudo ou os dois. A área do ensino e aprendizagem, uma das primeiras a ter as atividades suspensas, fez com que universitários e professores de todo o país tivessem de se adaptar, readaptar e criar novos hábitos estudantis para, durante esse confinamento, manter uma rotina de estudo e pesquisa sem prejudicar a saúde mental.

O psicólogo e coordenador diocesano da Pastoral Universitária de Curitiba (PR), Wellington Kihara, explica que para quem tem de manter a rotina de estudos, estando em casa, o excesso de informações, a falta de previsibilidade a respeito dos rumos da pandemia, a mudança repentina para uma situação de quarentena sem o devido preparo podem gerar sofrimento psíquico como: insegurança, angústia, ansiedade, estresse e, até mesmo, de pavor.

Psicólogo Wellington Kihara.
Foto: Fraternidade Franciscana
São Boa Ventura

“O momento que vivenciamos exige um cuidado com a saúde mental para continuar realizando, da melhor forma possível, as atividades acadêmicas diante das incertezas da atualidade. Tais incertezas podem gerar um desconforto, um desequilíbrio emocional que pode afetar o trabalho que já vem sendo desenvolvido. Assim, faz-se necessário compreender a mudança, de que é necessária uma reorganização da rotina. Trata-se de um momento de parar, respirar, se organizar e continuar em frente. Também não tenha vergonha ou medo de pedir ajuda a qualquer hora”, ressalta.

Diante dessa realidade, Comissão Episcopal Pastoral para Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), por meio do Setor Universidades, montou um grupo de trabalho para refletir sobre uma proposta de ‘Plantões de Escuta’. A proposta será realizada nas Pastorais Universitárias do país para os estudantes na situação de quarentena.

“O cuidado com a saúde mental é importante, uma vez que a estabilidade emocional reforçará o seu sistema imunológico.  Importante por inúmeros outros aspectos, o sistema imunológico fortalecido será importante para atravessarmos essa fase e garantirmos a qualidade dos estudos, num novo contexto. Por fim, se é verdade que não conseguimos ter o controle sobre o mundo externo, podemos, ao menos, nos esforçar para ter um maior controle com o nosso mundo interno”, ressalta o psicólogo Wellington Kihara.

Dom João Justino de Medeiros. Foto: Daniel Flores

Para o arcebispo de Montes Claros (MG) e presidente da Comissão Episcopal para a Cultura e Educação da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom João Justino de Medeiros, “a quarentena não significa que a vida para. Ela deve ser manejada de outro modo. E até para os estudos existem possibilidades diferentes. O importante é dar passos de reorganização do uso do tempo e do espaço que se tem. Desafios novos, novos aprendizados”.

Nesse contexto, a Comissão para Cultura e Educação da CNBB orienta os universitários a adotar um novo tipo de postura diante da alteração das rotinas acadêmicas e dos sentimentos gerados por esse tempo de confinamento.

Segundo a comissão, essa alteração de rotina estudantil se torna ainda mais desafiante se existem filhos pequenos em casa, pais ou avós que necessitem de cuidado, ou mesmo, se o espaço não é apropriado aos estudos. Por isso, é de suma importância o cultivo de atitudes que possam auxiliar na gestão das emoções e dos estudos no contexto adverso.

Para ajudar nesse caminho a comissão preparou uma relação com dicas de organização e orientação para se manter firme na rotina de estudos e encarar a quarentena.

Com relação aos estudos:

  • Mantenha, apenas, as notificações que forem essenciais. O celular tem recebido muitas notificações das redes sociais, e-mail e aplicativos, que tiram o foco e a atenção dos estudos;
  • Crie uma rotina para os seus estudos, ainda que eles sejam disponibilizados on-line. A regularidade criará uma forma de “controle” e de “previsão” sobre o seu cotidiano. Uma rotina trará a sensação de segurança;
  • Use aplicativos de vídeo conferência para diminuir a distância entre os colegas, estudar juntos e fomentar uma continuidade dos encontros presenciais. Não se isole;
  • Se informe pontualmente sobre o assunto da pandemia. Escolha dois momentos do dia e evite uma enxurrada de informações que possam trazer a sensação de impotência.

Com relação a vida na quarentena:

  • Mantenha uma rotina no seu cotidiano, pelos motivos expostos acima acerca dos estudos;
  • Procure cultivar a espiritualidade: por meio de meditações, escuta da palavra e orações;
  • Procure fazer atividades relaxantes: inclua na sua rotina alguma atividade lúdica, exercícios físicos e alimentação saudável;
  • Evite procurar qualquer pessoa para conversar sobre o assunto. Seja criterioso nesse assunto. Pessoas significativas renovam a sensação de confiança, o sentimento de pertencimento e proteção;
  • Reflita sobre o que você tem aprendido com este tempo, revise as suas práticas e rotinas a cada semana, e lembre-se que isto não durará por toda vida;
  • Peça ajuda se precisar. Em caso de necessidade, procure acessar plataformas e serviços de escuta gratuitas como o Centro de Valorização da Vida (CVV), que possuem voluntários disponíveis por 24h, através do número 188.
Com informações da Comissão Para Cultura e Educação da CNBB
Foto capa: Pixabay/Lucas Silva/Reprodução

FacebookWhatsAppTwitter